quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Filmes famosos e proibidos em diversos países devido ao teor herético, pornográfico, escatológico, racista ou violento!

Uma matéria do blog Entertonement, publicada no último dia 20, chamou minha atenção. Na ocasião, o blogueiro Michael exemplificou alguns filmes que foram proibidos de exibição em diversas cidades, estados dos EUA e até outros países. Tal proibição atiçou ainda mais a curiosidade de cinéfilos na época, apesar da maioria das produções ter ido relativamente mal nas bilheterias após a liberação. Pornografia, filmes snuff (aqueles que mostram cenas “reais” de tortura, morte ou algo semelhante), ode ao comunismo ou heresia cristã... Alguns exemplares famosos vocês conferem abaixo:




O Proscrito (1943), de Howard Hughes;

Motivo da polemica / proibição: Howard Hughes queria transformar a atriz Jane Russell em estrela (na época, ela tinha 22 anos). Para isso, Hughes e a produção desenharam um vestido que acentuasse os seios da jovem. Pelo fato, a censura demorou três anos para liberar o longa.


**

O Nascimento de Uma Nação (Birth of a Nation,The 1915), de D.W. Griffith;

Motivo da polêmica / proibição: considerado por muitos críticos como um dos mais importantes da historia, O Nascimento também é lembrado pelo enredo extremamente racista: um dos personagens principais glorifica a organização Ku-Klux-Klan.


**

 Pink Flamingos (1972), de John Waters.

Motivo da polêmica / proibição: Alguns jovens intelectuais da época consideram o filme de Waters, um dos longas representativos da Contra-cultura (saiba sobre o movimento aqui). Entretanto, cenas de sexo oral entre parentes de 1° grau, nudez frontal um tanto ousada, Coprofagia (pessoas comendo cocô!), entre outras bizarrices não agradaram nem um pouco a censura. Assista por curiosidade - ou não!


**

Scarface – A Vergonha de Uma Nação (Scarface, 1932), de Howard Hawks.

Motivo da polêmica / proibição: banido em 5 estados e cidades nos EUA por fazer apologia ao crime organizado. E pensar que o remake, estrelado por Al Pacino supera fácil o original nesse quesito.


**

A Última Tentação de Cristo (The Last Temptation of Christ, 1988), de Martin Scorsese

Motivo da polêmica / proibição: por mostrar uma versão mais “falível” de Cristo, o drama indicado ao Oscar do diretor Scorsese foi duramente criticado mundo afora. Uma pena.


**

 A Vida de Brian (Life of Brian, 1979), do grupo Monty Python.

Mais um caso de blasfêmia, segundo grupos cristãos. A grande sacada da trama – a alienação em massa – só foi lembrada por críticos.


**



 O Sal da Terra (Salt of the Earth, 1954), de Hebert J. Biberman.

Motivo da polêmica / proibição: escrito e dirigido por artistas perseguidos pelo vergonhoso capítulo da história dos EUA, o Macartismo (saiba mais sobre a caça aos comunistas aqui), O Sal da Terra conta a luta de latino-americanos por direitos em uma mina de estanho no Novo México, território estadunidense.


**

 Garganta Profunda (Deep Throat, 1972)

Motivo da polêmica / proibição: grupos “defensores da moral e bons constumes” atrapalharam bastante a jornada do longa que é considerado o Ben-Hur do cinema-porno, segundo a Variety. Um dos maiores influenciadores da discussão liberdade sexual anos-70, Garganta Profunda, dirigido por Gerald Damiano (ex-cabeleireiro) e estrelado por Linda Lovelace (parte da vida dela será contada em um filme protagonizado pela ex-detenta Lindsay Lohan) provavelmente é o caso mais famoso e controverso da lista.


**

Canibal Holocausto (1979), de Rugero Deodato.

Motivo da polemica / proibição: um dos maiores expoentes do gênero snuff, após a estréia nos cinemas italianos, Canibal foi barrado por um magistrado. Proibido em diversos países devido ao teor obsceno e doentio (reza a lenda que filmaram a morte de certos atores). alguns defendem a premissa do falso-documentário, apontado como uma crítica à violência cometida contra “não-civilizados”. Canibal também é reconhecido como um dos precursores de um estilo que teria resultados melhores anos depois (A Bruxa de Blair, 1999). Entretanto, o longa ganhou mais notoriedade pelo mau-gosto.


**



12 comentários:

Kaah - disse...

Pink flamingos?Pô,só pela capa eu já proibiria.

Jeniss Walker disse...

Kaah, de todos os citados, Pink Flamingos e Canibal Holocausto disputam o trono de filme mais execrável. Muitos nem conseguem terminar de assistir. E olha que ambos mal tem 90 minutos! Abraço e obrigado pela visita :)

L. disse...

Pink Flamingos é um dos filmes mais repugnantes e grotescos que já vi, seguido de perto por '120 dias de Sodoma' (que eu pensava ter sido proibido em alguns países).
belo post!

Pró Carol disse...

Bom conhecer essa lista. Dá pra acrescentar um que poderia ser proibido por ser tosco, ruim e esquisito? "Amarelo manga", produção brazuca. Até hoje não entendi como filmaram aquilo.

João do caminhão disse...

Texas Chainsaw Massacre ficou proibido no Brasil por mais de uma década.
Sendo que também foi proibido na Austrália, Inglaterra, Alemanha Ocidental e alguns outros países que agora não lembro...

Glaukitos disse...

Parabéns pela matéria.Já assisti o Garganta Profunda e sou louco pra ver Pink Flamingos.

le Historiador disse...

Jeniss faltou "A Serbian filmms, Terror sem limites".. filme que quase me fez tirar os meus olhos pra fora!

Eliakim Junior disse...

Excelente post!!! Bem escrito, sucinto, e boa escolha de filmes!!!

Dr. Anderson Pessôa disse...

Esta comunidade é destinada aos fãs das séries, filmes e desenhos que passavam na década 80 e 90.

Convide seus amigos e familiares.

Relembrar é viver.


http://www.facebook.com/groups/tvanos80.90/

Sheila disse...

Linda Lovelace vai ser vivida pela Amanda Seyfried e não Lindsay Lohan.

Taniaredatora disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Taniaredatora disse...

Pra quem citou Amarelo Manga, ele não está na lista porque é um filme que, do conteúdo passível de censura, segundo o autor do post, ele só traz a violência. O que, perto do que se vê na novela das 20h hoje, não chega a chocar ninguém. É um filme cru, com certeza, mas que também fala de amor e de erotismo na medida certa.